domingo, 8 de janeiro de 2012

TRECHO DO LIVRO "PAISAGEM AMENA DA SEGUNDA JANELA" - em andamento"

Eu não acredito em nada disso que minhas lembranças me trazem de você. São memórias doces demais. São sonhos, quase que insustentáveis, e você jamais jogaria uma pedra na minha janela sem que quebrasse o vidro.
Nada me espanta tanto em você. Nem o medo que sente de caminhar sobre as pedras, nem a esperança que te trazia seu pai, quando voltava cheio de presentes. Eu sei como era a sua voz, aos 12. Você desafinava como quem não quer nada, mas sempre queria. Você sempre quis tudo que soube que poderia conseguir. Mas você nunca pensou que eu realmente pudesse ser sua. Então você nunca me desejou querer.