sexta-feira, 22 de junho de 2012

Batida de pimenta


Então dormir é um privilégio. Faço batida de pimenta pra espantar o tédio. Acordei às 4 horas da manhã nos últimos 28 dias, pensei muito em você. Talvez eu não me vá, no final das contas. Mas penso que não se trata de ir ou não ir, mas sim... de querer ou não querer estar aqui realmente. Quando estou com você, eu descrevo cada coisa, que lhe juro por tudo que há de mais sagrado, eu seria capaz de chorar. É tanto medo e tanta dúvida. É coisa de outro mundo. Bebo mais um gole, que me queima a garganta e me acorda o corpo cheio de tensão. Esse mundo que me espera não guarda a minha alegria, mas guarda meu caminho para ela. Eu estive prestes a sair subtraindo, chamando urubu de santo e secura de ressurreição, mas agora... a pimenta evapora e me arde os olhos, e me abre os caminhos, e me lacrimeja, e me acende essa coisa de vida aberta. Acordei às 4 horas da manhã nos últimos 28 dias, e você nem notou, meu caro... Você nem notou.